Pitadinhas.

Mesmo com o sem numero de links que tenho perdidos entre os e-mails e os favoritos, e sabendo já há anos o que é a “rotina” dos profis da minha área, pergunto-me as vezes se o pessoal que escreve sobre este todo que abrange minha profissão não dorme, não tem namorada, não usa o banheiro [ou tem uma boa rede wireless em casa], entre essas outras cotidianidades... dado o tanto de referencia que acabam conseguindo juntar [e divulgar], e provavelmente, fazendo o mesmo que eu: juntando pra poder consultar sempre [desde] que possível, estes materiais. Por outro lado, tem feito de muito que a gente vê [literalmente] por ai um amontoado de referências visuais, sem contextos adequados e/ou uma aplicabilidade mais coesa, suficiente pra fixar na mente dos receptores um “algo mais”. Provável que seja uma das perguntas que carregue comigo por muito tempo, e das respostas que for encontrando, consiga formular soluções eficientes para o meu ganha pão [e diversão :)].

Percebo que não tem sido um “problema” só meu, mas da maioria das pessoas que estão hoje envolvidas [usuárias ou produtoras de conteúdo ali] com os meios de comunicação (quase todos): a gente ver e ler muito, e acabar “guardando pouco”, parecendo que no fim do dia, a gente não fez nada. No esteio da velocidade e demais blablabla´s tecnológicos, acabamos direta e indiretamente criando uma paranóia em estar informados e antenados sobre tudo, opinativos sobre tudo, achando sempre que nos falta algo pra “se estar tudo bem”.

 

 

 

Nesse opinativos sobre tudo, temos na crista da onda a blogsfera, que está consolidadissima como mídia social, e já tem tantos desdobramentos quanto alguns formatos de comunicação [e de negócios]. Assim, temos diversos pseudo-sabes-tudo, com suas criticas acidas sobre tudo e todos, que são deveras divertidos de ler. Mas acredito que esteja impregnado em nossa natureza, falar mais mal do que bem. Nada presta. Futebol? Uma draga. Não preciso citar o presidente, né? Só dois exemplos, dos mais pertinentes. E ai de você, se falar mal de algum blogueiro... revoltas, comentários em massa, tudo que a gente queria ver acontecendo fora do mouse e do monitor ali, lindo, pomposo, como blogagem coletiva. Encerro cá o momento hipocrisia no modo máximo [ou dá pra falar do povo criticando sem ser igualmente critico?], vamos a outras pitadinhas.

 

 

Eu não ganhei minha passagem pra passear por ai! EU QUERO, RHAAAM... é capaz de sair alguma resoluçãozinha na moita, como sempre, as vésperas do feriado, pra tentar burlar mais um vexame que nossos [in]digníssimos praticaram, lá em Brasília. Pergunto: por que ainda o Governo não se desfez dos luxuosos apartamentos que os deputados não usam, para que assim se custeie quantas passagens eles acharem convenientes?

 

 

Coisa linda ver o Ronaldo esculachando nos gramados brasucas, não? Amanha ele estará cá em Curitiba; não sei se joga, mas que ele presta um grande favor ao nosso futebol ao estar mostrando um pouco do que encantou a Europa [e o mundo], ahh presta... sem contar que é o exemplo mais famoso que conheço, de superação. Um vencedor, em todos os sentidos.  Ainda em futebol, enquanto os grandes clubes brasileiros se afundam em dividas, recorrem a parcerias no mínimo duvidosas e tem serias dificuldades, a nação que ama o Clube Atlético Paranaense mostra sua força e hoje temos um estádio com 100% de ocupação de sócios, inclusive com um setor que ainda ficará pronto, totalmente vendido. Patrocinamos o time, em meio à crise. E o fizemos numa das fases mais difíceis tecnicamente, dos últimos anos. Paixão se vive assim.

 

 

Falando nisso, um post logo abaixo reitera como se vive uma paixão... surpresas em lugares que te pertencem, mesmo quando a pessoa é singular o suficiente para estar em todos os lugares, querendo ou não. Noutra oportunidade trato disso do jeito que se merece, pois estar com a Mariana faz o resto ser o resto ;).

 

Posta-se assim >> Brincalhão

“[...] and when there´s no one there to hold, and you realize the world is cold, don´t worry girl: i´m gonna take it from here…”, Diz Justin Timberlake em Take it from here.



Foi dito por « tony » às 21:44
[ ]



 

Aah, eu não ia perder a oportunidade 8)
Só pra todo mundo ficar sabendo: eu amo você, Antonio!
Você me completa :}

Beeijos de quem só consegue ser mais, com você :)

Maaari Apaixonado



Foi dito por « tony » às 19:43
[ ] [ ]



Mais um pouco de nada [e dois ponto dois].

O sol que bate aqui na janela de frente pra mim brilha mais forte, ou é só um ponto de vista? Parece ser, como todas as outras coisas que a gente acha que são mais, mas na verdade estão mais propensas a nos diminuir. A relação de tempo permanece confusa, e os dias [de certa forma, afinal é só um ponto de vista] são meras transições de claro e escuro, sol e lua [ainda que, por vezes cá, o par esteja lindamente no céu, nos inícios de manha e noite].

 

 

[...] E eu aqui ao seu lado, na primeira fila. Isto significa muito, viu Elizabeth? Lá na minha terra vai ter gente se mordendo de raiva. Onde já se viu, aquele retirante nordestino que nem fala direito sentado à esquerda da rainha da Inglaterra? O resto, leia clicando aqui.

 

 

Outro outono chegou e com ele a 22ª desta corrida maluca que costuma ser a vida. A minha, ao menos. De um ano pra cá, como bastante dito por aqui, a palavra e o sentimento de ordem foi, e é [ainda será por muitos outonos], aprender. A permanecer sereno e carregar um sorriso sincero, não todo de graça, mas fácil pra quem o cativa. E viver todas as minhas verdades com um pouco mais e poucos porquês [preferivelmente, só os necessários!]; com todo esse amor puro e simples, pela família, pela profissão, por mais uma pessoa. Aprendi que minha paciência era maior do que eu imaginava, e que toda surpresa é de alguma forma recompensadora. Que posso permanecer vendo os dois lados de uma questão, mas não preciso viver sobre a linha que os divide. Que as coisas podem ser melhores do que imaginamos, simplesmente por não imaginarmos as coisas todas, nos permitindo viver como a maré sugere, sem deixar de estar com o remo nas mãos.  E que é muito bom cativar e ser cativado ao melhor. E que a minha paz é fácil de encontrar, e ainda mais simples de ser mantida. E que cabe no meu tempo tanta coisa q por vezes nem acredito que faço isso. E que saber tudo que me importa, como me importa, faz muito ser muito simples. O resto as vezes complica, os outros as vezes complicam, mas enfim: são só o resto.

 

Posta-se assim >> Muito feliz

“gosto de ver você dormir, que nem criança com a boca aberta... ”, Diz Legião Urbana em O mundo anda tão complicado.



Foi dito por « tony » às 20:46
[ ] [ ]



[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 

todos os posts




 

sobre

Era julho de 2004, alguém desocupado o suficiente para querer ter o que fazer, e preparando-se para os vestibas [logo, com vontade (in)voluntária de escrever], que vagando na net e cansado de msnzar e só, via-se escrevendo um texto aqui, outro acolá, já tinha meio caderno recheado com aquelas lindas, melosissimas [e depois de algum tempo, engraçadissimas] cartas e poemas amorosos, e assim ia, até que a internet banda larga chegou ao escritório/casa. Começou um capitulo de uma infindável história.

Estava enfim ocupado, e de bônus nasceu a oportunidade de fazer ótimas amizades e de aprimorar os conhecimentos na linguagem html, responsável pelo design de sites. Há alguns anos atrás era bom saber, hoje é imprescindivel na minha profissão o conhecimento das ferramentas de produção pra web. Isso tudo somado a facilidade pra escrever, que foi ampliada.

Visualmente ele evoluiu (como era de se esperar) até porque nesses 5 anos também houve um salto qualitativo na capacidade executiva do dono do blog, que sem preguiça consegiu faze-lo chegar até aqui.

O conteúdo nunca foi muito especifico. Postou-se sempre o que dava na telha, desde relatos detalhadíssimos de dias únicos, a junções e comentários a cerca de textos de outros. Especiais de niver do blog, retrospectivas, lá se vão alguns [muitos!] momentos da vida e das coisas deste que vos escreve. A periodicidade de outrora foi diminuindo em vista da carga de ocupações, trocando se o diário de poucas palavras por muito [de forma sucinta] em um ou outro dia.

E em 2010, a mudança para um endereço próprio: http://blog.tzaum.com.